segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Estudo - Salmo 128

Introdução



Buscaremos através das ferramentas hermenêuticas e o processo de análise histórico-crítico, trazer mais informações e esperanças do povo de Israel e o salmista, representante e orador do povo, o qual verbalizou e escreveu as esperanças israelitas, passando por uma longa viagem de transcrições e chegando a nós através do Canon ao decorrer de mais de dois mil anos. O nosso objeto de estudo encontra-se na oratória do Salmo 128.


Buscaremos verdades e fundamentos históricos através desse objeto de estudo, mas tendo como norte o Criador, o mesmo Deus da esperança Israelita. O Deus que através da história se fez presente na história.

2. Forma/ Poesia


- Cabeçalho – v.1 - Gratidão ao Senhor (Javé)
- Frase principal – v.4 - As bênçãos do Senhor (Javé)
- Primeira estrofe – v.2 – 4 - Sinais das bênçãos do Senhor (Javé)
- Segunda estrofe – v.5 – 6a - A graça de Javé de eternidade a eternidade
- Momento litúrgico – v.6b - Saudação ao povo de Israel

3. Assuntos de Conteúdo/ Interpretação


v.1a. Como (é) feliz quem teme ao Senhor
Nesta frase temos uma oração nominal, pois no hebraico não temos o verbo (ser), ficando da seguinte forma: Como feliz quem teme ao Senhor. Esta ausência de verbo no hebraico nos mostra uma ação atemporal, sendo a felicidade derramada por Javé ao que teme (respeita, reverencia e adora) de eternidade a eternidade.


Enxergamos também nesta oração o sentido teológico principal deste Salmo, mostrando o salmista que a adoração e reverência a Javé enche de felicidade eterna (ontem, hoje e no amanhã) a todos os que o temem.

v.1b. quem anda em seus caminhos
Esta oração complementa a primeira parte do versículo 1. O andar no caminho 4 de Javé, preenche ao povo de felicidade.


Os caminhos (vontade) de Javé, estão exemplificados no versículo 3. Mostrando o desejo do Senhor ao seu povo.


“Sua mulher será como videira frutífera
em sua casa;
seus filhos serão como brotos de oliveira
ao redor de sua mesa.”

Mesa cheia nos mostra a vontade/ desejo do Deus, comunhão.


• Ato de comungar: partilhar das mesmas idéias ou sentimentos.
• Ato de Sentir: Perceber, compreender e conceber.

v.2. Você comerá do fruto do seu trabalho,
e será feliz e próspero.
Do labor do homem, sairá o seu sustento, referenciando ao Gn. 3.17 – 19, mostrando à tradição do salmista e do povo a lei do Senhor. Mas não só trabalho haverá o sustento, e sim a provisão com felicidade e bênçãos.

v.3a. Sua mulher será como videira frutífera em sua casa
Visualiza-se nesta oração do Salmo a felicidade e prosperidade dos homens (povo), com esposas férteis que dará frutos aos seus maridos. Concretizando as bênçãos através dos filhos, estes são os frutos de Javé, trazendo alegria, assim como o vinho trás ao povo israelita.

v.3b. seus filhos serão como brotos de oliveira ao redor da mesa
Os filhos são o início do florescer da oliveira. A oliveira é uma árvore geradora de azeitonas e azeites, bens muito valiosos de consumo em Israel na época.


A herança do Senhor ao salmista e o povo de Israel, são os filhos de muita valia trazendo a alegria e norteando o caminho/ vontade de Javé, citado no v.1b. A comunhão exemplificada nesta oração, comunhão que nos faz “se alegrar com os que se alegram e chorar com os que choram”. A família ao redor da mesa mostra não hierarquia e sim uma rede de relação, pai, mãe, filhos, filhas e os filhos dos seus filhos.

v.4. Assim será abençoado o homem que teme ao Senhor.
A legitimação do abençoar e prosperar de Javé. Nesta frase temos a afirmação e a confiança do salmista no Senhor na provisão da felicidade, a fidelidade do amor de Deus para com povo, trazendo a bem-aventurança através da comunhão da família, descrito no v.3.

v.5a. Que o Senhor o abençoe desde Sião
Javé do alto do monte, o trono do Senhor, faz feliz o seu povo. Mas não só no momento presente e sim desde Sião, o ontem. O Senhor torna feliz ao que o teme, através das gerações nascidas do homem (v.3b) glorifica ao seu povo e o glorificará eternamente como vemos nos versos 5 e 6.

v.5b. para que você veja a prosperidade de Jerusalém todos os dias de sua vida
Para que o salmista e o povo, veja o reflorescer de Javé em toda a terra, através dos filhos e os filhos dos seus filhos, concretização da promessa e caminho de Deus. Desenvolvendo a vontade de Deus em toda a terra, e tendo êxito na construção do Reino de Deus a bem-aventurança, famílias (v.3).

v. 6a , e veja os filhos dos seus filhos.
Vendo o salmista e o povo de Israel a sua descendência, as novas gerações, sendo o crescimento da família e comunhão, (v.3.) com os filhos ao redor da mesa.


Sendo a promessa de prosperidade e fertilidade do Senhor, não só apenas em tempo atual, mas sim em tempo futuro.

v.6b. Haja paz em Israel
Havendo quietação do salmista e do povo no Senhor. Saudação de benção, liturgia.

2 comentários:

  1. legall, gostei da análise que fez do texto.... muito interessante.

    http://evangelhomaltrapilhos.blogspot.com/

    visite meu blog, deixe seu comentário, se achar interessante... me segue!

    um abrço fique com Deus

    ResponderExcluir
  2. Achei a reflexão maravilhosa e me sinto feliz por ter tido o privilegio de ler esta palavra que Deus continue lhe abençoando ass: Pr. Marcos Nascimento de Maceió AL.

    ResponderExcluir